Governadores defendem que Brasil aceite oferta de recursos internacionais para Amazônia

Governadores de estados que compõem a Amazônia Legal aproveitaram a reunião com o presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira (27) para defender a ajuda oferecida por outros países para combater os incêndios...

por


Governadores de estados que compõem a Amazônia Legal aproveitaram a reunião com o presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira (27) para defender a ajuda oferecida por outros países para combater os incêndios na Amazônia e preservar a floresta.

Neste mês, a Noruega suspendeu as contribuições para o Fundo Amazônia em razão do aumento do desmatamento. A Alemanha sustou um financiamento de 35 milhões de euros para ações de proteção à floresta. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro disse que não precisava de dinheiro da Alemanha.

Nesta segunda-feira, o ministro Onyx Lorenzoni afirmou que o Brasil recusaria a oferta de US$ 20 milhões do G-7, o grupo dos países mais ricos, anunciada pelo presidente francês Emanuel Macron. Na manhã desta terça, Bolsonaro impôs condições para voltar a discutir o assunto.

“Nós enfatizamos muito fortemente a necessidade da cooperação internacional, com defesa da soberania nacional claro. Porém, achamos que não é o momento de rasgar dinheiro. Sobretudo no que se refere ao Fundo Amazônia. Nós defendemos que seja retomado”, afirmou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Macron e Bolsonaro trocam críticas desde a semana passada, quando teve início a crise diplomática entre França e Brasil provocada pela alta das queimadas na Amazônia. Como resposta às críticas recebidas por líderes estrangeiros, sociedade civil e celebridades, Bolsonaro autorizou o uso das Forças Armadas no combate aos incêndios nos nove estados da Amazônia Legal. Ele tem afirmado que países estrangeiros têm interesse na Amazônia em razão das riquezas da região e que o Brasil deve preservar sua soberania no local.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

MAIS DO Agora Cariri

Continue lendo Compartilhar no Whatsapp