Chefe da CIA teve reunião secreta com líder do Talibã em Cabul

O diretor da CIA (agência de inteligência do Estados Unidos), William Burns, se reuniu secretamente no Afeganistão com Mullah Abdul Ghani Baradar, um dos cofundadores do Talibã e chefe político do grupo extremista.

A informação foi revelada pelo jornal “The Washington Post” e depois noticiada pelo “The New York Times”, a rede de televisão CNN e outros veículos de comunicação americanos.

A reunião ocorreu em Cabul na segunda-feira (23) e é o maior encontro entre o governo Joe Biden e o Talibã desde que o grupo extremista tomou a capital afegã e voltou ao poder após 20 anos.

Procurada pelo jornal, a CIA se recusou a comentar a reunião com o Talibã. Segundo o “The Washington Post”, Burns é o diplomata mais graduado do gabinete de Biden.

Baradar liderou o acordo de paz do Talibã com os EUA, durante o governo Donald Trump, e também negociava um cessar-fogo com o antigo governo afegão, antes da sua queda.

Ele havia sido preso em 2010 em Karachi, no sul do Paquistão, e foi libertado em 2018, a pedido de Trump, para participar das negociações de paz.

Ironicamente, Baradar ficou preso por oito anos após uma operação conjunta entre a CIA e o governo paquistanês.

O confudador do Talibã era próximo ao líder supremo do grupo extremista, Mohammad Omar, que o governo afegão disse ter matado em 2013 e o grupo extremista diz que morreu em 2015.

Baradar lutou contra as forças soviéticas durante a ocupação do Afeganistão, na década de 80, e foi governador de várias províncias na década de 90, quando o Talibã governou o país pela primeira vez.

Saída do Afeganistão

O acordo de paz, assinado pelo governo Trump e o Talibã em fevereiro de 2020 em Doha, no Catar, previa a retirada das tropas americanas e de países aliados em maio deste ano (veja vídeo abaixo).

EUA e grupo extremista Talibã assinam acordo de paz histórico

Biden manteve o acordo, mas adiou o fim da missão para 31 deste mês — e agora é pressionado por aliados a adiar novamente a saída do Afeganistão, apesar do alerta do Talibã.

Reino Unido, França, Alemanha e outros países dizem ser necessário mais tempo para evacuar seus cidadãos e afegãos que trabalharam para esses países e têm sido alvos do Talibã.

O ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas, afirmou ao jornal “Bild” que não é possível retirar todas as pessoas necessárias até o dia 31: “Mesmo alguns dias a mais, não será suficiente”.

Mas um porta-voz do Talibã advertiu que os EUA cruzarão uma “linha vermelha” se mantiverem as tropas além do prazo, prometendo “consequências” (veja no vídeo abaixo).